quarta-feira, 29 de abril de 2009

david shersfield

video

janela aberta para a montanha:pintura a ole sobre tela


o milagre de um novo dia

Hoje eu me levantei cedo pensando no que tenho para fazer antes que o relógio marque meia noite.Eu tenho responsabilidades para cumprir hoje.Eu sou importante.É minha função escolher que tipo de dia terei hoje.Hoje eu posso reclamar porque está chovendo ou posso agradecer às águas por lavarem energias pesadas.Hoje eu posso ficar triste por não ter muito dinheiro ou posso me sentir encorajado para administrar minhas finanças sabiamente, mantendo-me longe de desperdícios.Hoje eu posso reclamar sobre minha saúde ou posso dar graças a Deus por estar vivo.Hoje eu posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo que eu queria quando estava crescendo, ou posso ser grato a eles por terem permitido que eu nascesse.Hoje eu posso lamentar decepções com amigos ou posso observar oportunidades de ter novas amizades.Hoje eu posso reclamar por ter que trabalhar ou posso vibrar de alegria por ter um trabalho que me põe ativo.Hoje eu posso choramingar por ter que ir à escola ou abrir minha mente com entusiasmo para novos conhecimentos.Hoje eu posso sentir tédio com trabalho doméstico ou posso agradecer a Deus por ter dado-me a bênção de um teto que abriga meus pertences, meu corpo e minha alma.Hoje eu posso olhar para o dia de ontem e lamentar as coisas que não saíram como eu planejei ou posso alegrar-me por ter o dia de hoje para recomeçar.O dia de hoje está à minha frente esperando para ser o que eu quiser.E aqui estou eu, o escultor que pode dar-lhe forma. Depende de mim como será o dia de hoje diante de tudo que encontrarei.A escolha está em minhas mãos:Hoje eu posso enxergar minha vida vazia ou posso alegremente receber o Milagre de Um Novo Dia!
(silvia schmidt)

a borboleta azul

Havia um viúvo que morava com suas duas filhas curiosas e inteligentes.As meninas sempre faziam muitas perguntas.Algumas ele sabia responder, outras não.Como pretendia oferecer a elas a melhor educação, mandou as meninaspassarem férias com um sábio que morava no alto de uma colina.O sábio sempre respondia todas as perguntas sem hesitar.Impacientes com o sábio, as meninas resolveram inventar uma pergunta queele não saberia responder.Então, uma delas apareceu com uma linda borboleta azul que usaria parapregar uma peça no sábio.- O que você vai fazer? - perguntou a irmã.- Vou esconder a borboleta em minhas mãos e perguntar se ela está viva ou morta.- Se ele disser que ela está morta, vou abrir minhas mãos e deixá-la voar.Se ele disser que ela está viva, vou apertá-la e esmagá-la.E assim qualquer resposta que o sábio nos der estará errada!As duas meninas foram então ao encontro do sábio, que estava meditando.- Tenho aqui uma borboleta azul. Diga-me sábio, ela está viva ou morta?Calmamente o sábio sorriu e respondeu:- Depende de você...ela está em suas mãos.Assim é a nossa vida, o nosso presente e o nosso futuro.Não devemos culpar ninguém quando algo dá errado.Somos nós os responsáveis por aquilo que conquistamos(ou não conquistamos).Nossa vida está em nossas mãos, como a borboleta azul...Cabe a nós escolher o que fazer com ela.